sábado, 1 de agosto de 2009

Carta a ele: para sempre, meu irmão.

Peço-te, ventos, que soprem seus melhores ares para ele... Que arrastem para longe as folhas da tristeza. Deus, olhe por ele. Deixe-o saber como é grande a minha saudade...

Ó, irmão, como permitimos que tudo chegasse a esse ponto?
Cadê aquele menino brincalhão que costumava fazer parte dessa família?
Queria que você estivesse aqui de vez em quando. Essa cidade não é tão ruim assim. Foi aqui que crescemos. Aqui está o nosso passado. É aqui que ainda habita meu presente. Há pessoas que te amam tanto nesse lugarzinho que você tanto evita...

Eu me lembro quando éramos pequenos. Você, com seus cabelos tão loiros que quase pareciam brancos. Você foi uma criança linda, irmão.
Sabe, eu já não sou mais a sua “tampinha”. Reparaste como eu cresci?
É, o tempo passou. Ele sempre passa....

Ó, irmão, preciso te contar uma coisa! A sua irmã será uma mulher das leis! Quem diria, não é mesmo? Aquela pequerrucha chorona que você conheceu está enfrentando o futuro...
Irmão, se você quiser vir de vez em quando, venha. A porta estará aberta. Eu prometo ficar acordada esperando você chegar. Só não acho justo as coisas continuarem a se perder dessa maneira.

Poxa, irmão, para que tanto afastamento? Eu acho que você colocou tantas pessoas em seu coração e esqueceu de reservar o meu lugarzinho lá. No entanto, a vida não é feita de substituições. Só acréscimos. Não é preciso excluir pessoas de sua vida a fim de outras caberem. Quando se tem um coração grande, todos podem ocupá-lo.

Irmão, a mãe continua com aquela esperança inabalável em nós, sabia? Entenda-a. Não é possível que você tenha esquecido como ela sofreu para que chegássemos onde estamos.
Preciso confessar uma coisa: sinto tanta falta dos dias de música. Sinto falta daquela barulheira que deixava os vizinhos malucos. Sinto falta das nossas tardes de brincadeiras, dos jogos de tabuleiros, do vídeo-game, dos doces preparados na cozinha e das panelas que deixávamos queimar. Sinto falta de quando me ensinava a tocar guitarra. Sinto falta de tantas coisas. Queria tanto que você viesse. Quem sabe, poderíamos fazer tudo de novo! Quem sabe, você poderia pegar a bola de vôlei e me ensinar a jogar sem acertar as plantas da mamãe. Quem sabe, poderia me chamar daqueles apelidos que só você conseguia inventar. Quem sabe, poderíamos nos sentir crianças de novo. Quem sabe...
Ó, irmão, eu te amo tanto. Para mim, você sempre será a pessoa que eu tanto me orgulho. Se a vida te leva pra longe, meu coração te traz para perto.
Venha quando quiser.
Acho que tudo isso que escrevi tem um nome, irmão. Sabe qual? Saudade.
“Eu só quero que você siga para onde você quiser que eu não vou ficar muito atrás.”
Tô com sintomas de saudade. Tô pensando em você.

Abraço forte,

Lá, a sua eterna irmãzinha.

15 comentários:

  1. Que texto mais fofo, Laís... Coisa boa é família!
    A saudade dói, mas é bom saber que tem alguém que nos ama! Mesmo que não demonstre... ;)
    Família são nossos laços eternos...
    :****** Laa

    ResponderExcluir
  2. Caramba, texto extremamente sensível!

    gostei...

    Abraços a todos!

    gostei do blog!

    Gilberto

    nel mezzo del cammim

    ResponderExcluir
  3. Lindo e nostálgico.
    Sorte.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. familia é importante, irmão então mais ainda ! voltarei tbm com frequência beeeijos !

    ResponderExcluir
  5. Oi Lais, eu te entendo direitinho..sei bem, uq é ''perder'' um irmão para o tempo.
    As vezes a distância parece não ter fim, e a saudade pode chegar a cortar. Mas vai por mim: liga, chama, fala dos seus sentimentos, sem medo de parecer carente.
    O amor, e principalmente a saudade exige ação.


    Mil beijos, minha querida...adoro as coisas que vc escreve.

    ResponderExcluir
  6. É lindo, Lais! Puro doce!
    Parabéns menina! Um beijo imenso de conforto.

    ResponderExcluir
  7. Queridas pessoas!!! Como faz bem ler as palavras cheias de carinho de vocês!
    Aqui é um canto acolhedor. É desabafo, expressão de sentimento, é amizade. Aqui, quando algo tá sufocando, podemos falar sem medo.
    Como vocês me fazem bem!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Nô, minha frô mai linda!!! É, saudade dói, sufoca, mas é a vida, né? A vida não nos permite ter sempre ao nosso lado as pessoas que amamos. Abraços gigantes!
    Jessica, Cátia e Ana: obrigada, queridíssimas!!!!!! Um abraço para vocês!!!

    ResponderExcluir
  9. Cris!!!!!! Obrigada!!!!! Beijão e abraço cheio de carinho! Adoro a sua pessoa!
    Danny, é fogo, né? A gente perde muitas pessoas ao longo da vida. Mas é muuuuuuuito triste perder alguém que esteve conosco durante tanto tempo. Meu irmão se perde da gente a cada dia mais. E por motivos tão banais. =/
    Isso é o pior...
    Ele troca quem sempre o amou por pessoas que ele considera muito melhores. Não sei até quando isso vai durar. Só sei que, se acabar, quem estará aqui esperando por ele serei eu, minha mãe e meu irmão mais velho. Quem, agora, ele ignora. É a vida...
    Mas amar é exatamente isso: perdão incondicional.
    Rayssa, queridona, muito obrigada! O conforto que vocês me passam chegam aqui com toda a certeza!

    Abraços imensos!
    Que seja doce sempre!

    ResponderExcluir
  10. Espero sinceramente que o seu irmão tenha a oportunidade de ler o que você escreveu. A vida só é uma e não devemos deixar de dizer o que sentimos, porque amanhã pode ser tarde.

    Gostei muito de vir aqui.
    Será sempre bem vinda no meu cantinho de desabafos poetisados.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  11. Bela, obrigada!!!
    É, eu espero que um dia meu irmão entenda.
    No aniversário dele, eu mandei um depoimento parecido com essa carta, mas ele recusou =/
    É a vida...

    Um dia, a ficha dele vai cair!
    Fé em Deus e bola pra frente!

    beijão!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  12. me deu ate calarios este escrito. Sinto sua dor

    ResponderExcluir
  13. Adorei

    oi gostaria de saber se vc pode colocar um selo do meu blog no seu blog.
    se vc quiser eu divulgo seu blog no meu blog.
    Se quiser é só me avisar no meu blog.
    :D

    ResponderExcluir